BEM-VINDOS AO BLOG!

"Os ignorantes só terão razão se os inteligentes ficarem calados". | Paulo Monteiro Jr.

sábado, 20 de abril de 2019

Partido NOVO e os 4.000 reais de inscrição

A nova polêmica da internet no assunto política é a cobrança de taxa de inscrição pelo Partido NOVO para quem deseja candidatar-se ao cargo de prefeito nas próximas eleições, no valor de 4.000 reais

Mas 4 “contos”? Não é absurdo isso? Pois bem, seria se o partido utilizasse dinheiro público para operar, através do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral. A legenda liberal é a única a não fazer uso este recurso, ao contrário das outras 34 siglas registradas no TSE. A taxa então seria ilegal? Seria imoral?

Pode-se notar que nem uma coisa nem outra. Paga quem quer e quem deseja pleitear uma campanha com a estrutura do partido, pois nossa Legislação exige a filiação partidária para concorrer. Outro ponto a ser questionado é se isso não seria “restringir” ou barrar pessoas de menor poder aquisitivo que quiserem disputar o cargo de prefeito. 

Mas uma vez, vejamos que não se trata de restrição, e sim de razoabilidade. Até para realizar um evento simples e com duas semanas de divulgação, é necessário gastar uns trocados com publicidade para não citar os outros custos. Agora imaginem uma campanha de cargo majoritário para uma cidade toda no período de 90 dias?

Se o Sr. Zé da Água de Coco ou a D. Maria do Pastel resolverem lançar-se candidatos, pela lógica, deveriam ter pelo menos condições para arcar com o básico, de publicidade, combustível e pessoas para trabalharem na campanha. A questão: o dinheiro precisa ser da pessoa? Óbvio que não. Pessoas com boas ideias, boas intenções, podem sim chegar lá, e somando-se com uma popularidade, sim, angariar recursos para fazer a campanha assim como ter alcance aos eleitores e conseguir os votos. 

O que deve ser questionado é ver dinheiro público sendo usado para bancar campanha de partido que a gente não gosta, ser usado para financiar luxos de políticos que não nos representam, ou para realizar campanhas de “candidatos-laranja”. O próprio Partido NOVO tentou criar uma brecha para o dinheiro do Fundo Partidário poder ir para os cofres públicos e serem usados para outro fim. A Câmara dos Deputados rejeitou. 

Ainda acham um erro um Partido que funciona apenas com o dinheiro dos filiados, cobrar inscrição para uma campanha majoritária ter o mínimo de viabilidade? 

Um comentário:

SEJA UM FRANQUEADO: